Camila Morgado: Séries nacionais aquecem frente à pandemia e descaso do governo

Créditos da imagem: Camila Morgado em cena de Sentença (Divulgação)

Séries e TV

Entrevista

Camila Morgado: Séries nacionais aquecem frente à pandemia e descaso do governo

Chefe da Amazon quer ouvir brasileiros comentando séries nacionais “na rua e na padaria”

Omelete
3 min de leitura
Caio Coletti
18.04.2022, às 06H00

As séries de TV nacionais foram a grande salvação” dos atores durante a pandemia da covid-19, segundo a atriz Heloísa Jorge, a Moira de Sentença. Em entrevista ao Omelete, o elenco da série da Amazon comemorou o crescimento do formato no Brasil, e as oportunidades que se apresentam através dele.

É muito bom, vindo de uma pandemia e de um governo que acredita que a cultura é um desserviço para a humanidade, ter o streaming chegando com tanta força”, admite a protagonista Camila Morgado. “Não é só para os atores, mas autores, diretores, produtores. O streaming abriu o mercado, e o formato de série é algo que a gente gosta mesmo, né? Ela é viciante, boa de maratonar, envolvente”.

Lena Roque, que interpreta Dinorah na série, conta que já tem quase 40 anos de carreira - mas só agora conseguiu sair do mesmo personagem” estereotipado. “Por que isso? Porque tem mais possibilidades de trabalho. Como disse nossa querida Viola Davis: se não houver oportunidade, o que você pode fazer? Ela não disse exatamente isso, estou parafraseando, mas você entendeu”, brinca.

Fico feliz em saber que nessa série, Sentença, somos várias mulheres negras, e várias mulheres em posições de comando, pensando a trama, produzindo, fazendo trabalhos técnicos”, comenta ainda. “Temos nossos queridos companheiros, homens maravilhosos, mas a série dá oportunidade para mulheres ficarem na liderança”.

TV brasileira para exportação

Para uma das duas mulheres responsáveis pela direção dos episódios de Sentença, Marina Meliande (a outra é a argentina Anahí Berneri), participar do crescimento das séries brasileiras é também uma realização pessoal, especialmente no streaming. “Isso de estrear algo simultaneamente em 240 países é uma experiência totalmente diferente das que eu tive no que fiz antes”, diz.

Eu acho que isso reflete ter mulheres em postos de comando dos streamings também. É uma cadeia, uma vai puxando a outra e trazendo novos olhares, deixando o panorama mais equilibrado em termos de gênero”, completa, apontando para a liderança de Malu Miranda, chefe de conteúdo original brasileiro da Amazon Studios.

Rui Ricardo Diaz em cena de Sentença (Divulgação)

De sua parte, a executiva comenta que vai considerar sua missão cumprida quando ouvir um papo sobre séries brasileiras na fila da padaria”. “Depois de vermos o cinema nacional ter uma grande virada nos últimos 25 anos, com filmes que atraem tanto público quanto os blockbusters americanos, estamos começando a ver isso também com as séries”, diz ela.

É curioso trabalhar em uma empresa de tecnologia em que um dos braços é o entretenimento, porque acabamos tendo uma pluralidade de ferramentas para entender o mercado, continua.Esse fenômeno que o streaming trouxe, de levar o Brasil para centenas de territórios e países diferentes, e ver que as nossas séries funcionam muito bem no exterior, é muito real”.

Sentença está disponível para streaming pelo Amazon Prime Video.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.