Thandiwe Newton e Chris Pine em cena de Um Jantar Entre Espiões

Créditos da imagem: Divulgação

Filmes

Artigo

Com Thandiwe Newton e Chris Pine, Um Jantar Entre Espiões une amor e suspense

Omelete comversou com atores sobre o novo filme da Amazon

Omelete
3 min de leitura
Beatriz Amendola
09.04.2022, às 12H00

Um Jantar Entre Espiões (no original, All The Old Knives), do Amazon Prime Video, é um filme que depende especialmente de seus dois protagonistas, Thandiwe Newton e Chris Pine. Na pele de Celia e Henry, dois agentes da CIA (e ex-namorados) que se encontram para discutir um atentado que ocorreu anos antes, os atores passam boa parte do filme sozinhos, com seus personagens conversando em um restaurante, na tentativa de descobrir quem foi o responsável por um crucial vazamento de informações e passar o passado a limpo.

É uma história de espionagem que mescla suspense e amor em doses igualmente relevantes, nota Pine em entrevista ao Omelete: "Para mim, não há suspense sem romance. É como O Paciente Inglês. Esta é uma grande história de amor inserida em um thriller. Os dois elementos têm a mesma importância. Amo o jogo de gato e rato que temos aqui”.

Neste ambiente relativamente estéril e de muito estresse como é a CIA, é incomum para essas pessoas encontrar o amor, mas também é muito importante", completa Newton, ressaltando que ela e Pine tiveram, também, de construir uma cumplicidade para transmitir verdade em seus personagens. "Nós construímos uma confiança que é passada não só nos diálogos, mas em como nos comportamos um com o outro”.

Isso se estendeu ainda, é claro, às cenas íntimas, que contaram com a ajuda de uma coordenadora de intimidade. “Ela nos ajudou muito, foi um processo muito colaborativo. [...] Chris é incrivelmente respeitoso e foi muito generoso”, conta a atriz.

Limitação de espaço

Mais da metade de Um Jantar Entre Espiões é situada no jantar de Henry e Celia, o que exigiu cerca de duas semanas de filmagens no restaurante -- algo desafiador, como os atores admitem. “É quase como uma peça, mas foi divertido”, diz Pine. “Você está sentado em uma mesa, então não há muito o que você possa fazer em termos de linguagem corporal e comportamento”. Para o ator, o mais importante era conseguir expressar as emoções do personagem com o rosto: “Trata-se de nuance e o subtexto, o que não tem nada a ver com as palavras, mas tudo a ver com os closes e os olhares”.

O diretor Janus Metz também compara o filme a uma peça – mas com ressalvas: “No teatro você faz tudo de uma vez, e aqui você faz cada cena várias vezes, muda a posição das câmeras. Foi bem desafiador para eles”. Não que tenha sido diferente para a equipe técnica do longa. “Quando você tem duas pessoas na mesa, há um limite para quantas posições de câmera você pode criar, e você precisa captar cada pequeno detalhe para realmente conduzir ao clímax do filme”, explica o cineasta.

Foi um trabalho intenso, mas os atores encontraram um respiro inusitado no casal de figurantes que dividiu com eles as cenas no restaurante. “Era um casal de aposentados, que estavam casados há 55 anos, mas faziam esses trabalhos extras para se divertir. Foi muito divertido e muito doce”, lembra Pine.

O casal ganhou até um presente de despedida dos atores. “Nós demos para eles flores e champanhe”, conta Newton. “Foi muito especial tê-los ali, silenciosamente apoiando o filme”.

Um Jantar Entre Espiões está disponível no Amazon Prime Video.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.